“Salvo pelo gongo”: onde surgiu esse ditado?


Já se perguntou de onde veio a expressão “salvo pelo gongo”?

Quando algo negativo está na iminência de acontecer com alguém e, num último momento, em que tudo parece perdido, tal pessoa consegue se livrar totalmente da situação ruim, devido a uma interferência externa, daí dizem que ela foi “salva pelo gongo”. Como surgiu essa expressão?

No livro Guia dos Curiosos – Língua Portuguesa, o pesquisador Marcelo Duarte afirmou que a expressão surgiu na Inglaterra, no século XVII. Um guarda do Castelo de Windsor, ao ser acusado de dormir em serviço, argumentou em sua defesa que estava tão acordado que pode ouvir o sino da igreja tocar 13 vezes naquela noite. Devido a isso, a expressão “saved by the bell” surgiu.

As pesquisas feitas na Internet apontam a origem também para o país britânico, mas com uma versão mais assustadora. Conforme o blog Edu Explica, a Inglaterra era um país pequeno, sendo difícil manter muitos cemitérios. Os mortos eram enterrados e, após um certo tempo, eram exumados e os ossos armazenados em ossuários, que ocupavam um espaço muito menor. Nessas exumações, os coveiros constatavam que muitas tampas de caixão estavam arranhadas por dentro, indicando que tais mortos haviam sido enterrados vivos, muito provavelmente por sofrerem de catalepsia, uma doença que causa rigidez nos músculos, a ponto da vítima parecer estar morta de verdade.

A fim de evitar a morte de pessoas que passassem por essa situação, a solução encontrada foi enterrar o defunto com uma corda amarrada ao braço, conectando-o a um sino. Caso a pessoa acordasse da catalepsia, mexeria o braço, o sino tocaria e alguém iria fazer o resgate. Seria “saved by the bell”, literalmente!

saved by the bell

Imagem contida no blog Dicas da Chermont

Sérgio Rodrigues, colunista da Veja, em artigo publicado no site da revista, afirmou que a versão do sino conectado ao morto por corda é desacreditada. “Se de fato há registros históricos de tais engenhocas, a expressão ‘salvo pelo gongo’ não aparece em nenhum deles, o que sugere estarmos diante de uma lenda”, ele escreveu. Conforme seu texto, a versão pugilística – das lutas de boxe – faz todo o sentido. Nessas lutas, é comum um boxeador estar prestes a perder a luta por nocaute, mas o gongo (ou uma campainha) soa dando fim a um assalto, oferecendo ao tal a chance de se recompor no intervalo ou de perder sem cair no ringue. E, sim, nas lutas é dita a frase “salvo pelo gongo”.

Sendo lenda ou não, considero a segunda versão, no mínimo, interessante. Hoje em dia são muito eficientes os métodos de confirmação da morte de uma pessoa. De acordo com os médicos, a probabilidade de uma pessoa ser enterrada viva por engano em caso de catalepsia é praticamente nula. O termo pode não ter surgido nessa época, mas muita gente foi “salva pelo gongo”!

Campana y tumba - Alvarez Bravo

Campana y Tumba – Alvarez Bravo

Crédito da imagem destacada: teclasap.com.br

Anúncios

O que achou desse post? Comenta aí!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s